Resenhas #70 - Pedra no céu

Título original: Pebble in the sky Autor: Isaac Asimov Sinopse:  Qualquer planeta é a Terra para aqueles que nele vivem. O alfaiate a...


Título original: Pebble in the sky
Autor: Isaac Asimov
Sinopse: Qualquer planeta é a Terra para aqueles que nele vivem. O alfaiate aposentado Joseph Schwartz desfrutava de uma pacífica caminhada de verão quando, devido a um acidente em um laboratório na mesma cidade, foi involuntariamente transportado milhares de anos para o futuro. Chega então a uma Terra marginal e abandonada, cuja superfície é quase toda inabitável, e que fica às margens de um grandioso Império. Publicado pela primeira vez em 1950, “Pedra no Céu” foi o romance de estreia de Isaac Asimov e é um marco do que se tornaria o Império de sua mais famosa obra, Fundação. Complemento fundamental às outras histórias do autor, este romance também serve como porta de entrada para apresentar o leitor ao universo de Asimov.


   Nesse livro conhecemos um mundo onde a Terra é um grão de areia comparado aos milhões de planetas que envolvem o Império Galáctico. As pessoas do Império vivem sob uma atmosfera de antiterrestrialismo. A Terra é vista como o resto, a escória do universo. Um planeta radioativo e perigoso, com líderes extremamente ufanistas que acreditam que a Terra é a origem de todos os humanos. Eles enxergam os habitantes da Terra como contagiosos e sujos.
   Já os terráqueos odeiam os forasteiros, pessoas do Império que vem para a Terra, pois sabem como eles são arrogantes e que cegamente os menospreza.


"Para o resto da Galáxia, se é que notam a nossa existência, a Terra é apenas uma pedra no céu." - pg.58



   Nos primeiros capítulos somos apresentados à uma diversidade de personagens e já começamos a ter uma noção de como funciona esse mundo do futuro. Assim como em outros livros do Asimov, nós temos mais de uma perspectiva do que está acontecendo. Então o leitor nem sempre precisa descobrir aos poucos com o protagonista, nesse caso o Joseph Schwartz.
   Várias personagens ganharam um pouco de espaço. O casal que Schwartz encontra logo no começo do livro, Arbin e Loa, e o sogro aleijado, Grew, são responsáveis por empurrar Schwartz para algo maior na história e deixar o leitor saber mais detalhes daquela Terra. Temos também o arqueólogo, Dr. Arvardan, que co-protagoniza com o Schwartz e é responsável por deixar o leitor saber vários outros aspectos desse mundo, a visão dos cidadãos do Império sobre a Terra. Mas ele é alguém que tenta ser diferente, tenta tratar com igualdade os terráqueos, porque ele acredita que podem haver provas que comprovem a teoria de que a Terra é a origem de todos os seres humanos. Até passar por uma situação em que ele sofreu preconceito dos terráqueos. Ele começa a ir contra o que achava defender, em pensamento.


"Ficou claro que a intolerância nunca era uma via de mão única, que ódio gerava ódio!" - pg.103



  A trama parece simples até lermos os diálogos entre o Grão-Ministro da Terra e seu secretário. São diálogos onde eles acusam um significado mirabolante para cada ação que o Dr. Arvardan e Schwartz tomam. Até porque Schwartz é algo estranho naquele mundo. Ele não sabia falar o idioma deles e não sabia coisas simples do dia a dia. Só após acabar na mão do Dr. Sheket e sua máquina, Sinapsificador, Schwartz começa a aprender a falar mas também acabam descobrindo que seus ossos são antigos demais para alguém de sua idade. O físico, Dr. Sheket vê que tem um fóssil vivo em mãos. Isso com certeza chamou muita atenção da fanática e conservadora Sociedade dos Anciãos. Assim, a Sociedade começa a desconfiar de que estão tramando algo. 



    É incrível como as personagens se conectam em um ponto na história. Temos várias coisas acontecendo ao mesmo tempo. Cada capítulo mostra a visão de uma personagem, mesmo de quem não é protagonista, mas isso não torna a narrativa desconexa em momento algum. Ter esses diferentes pontos de vista só ajudaram a história a ter um melhor desenvolvimento. E a reviravolta no final é incrível. O livro ganha um ritmo frenético de acontecimentos e causa aquela agonia de fazer o leitor pensar se as coisas serão resolvidas ou não. E no meio disso ainda temos um romance! Um estilo Romeu & Julieta, entre uma terráquea e um forasteiro. Só o Bom Doutor mesmo pra conseguir fazer isso.


"Ficou instantaneamente irritado consigo mesmo por pensar nisso outra vez. Ela fora rude, ofensivamente ingrata, uma garota terráquea comum. Por que ele deveria se sentir culpado? E, no entanto..." - pg. 187

Acabei com o post it rosa. Acho que não gostei nenhum pouco do livro! rsrs

   Eu não sei como ainda me surpreendo com Asimov sendo fã de carteirinha dele, já esperando um bom livro. Encontrei nesse livro uma narrativa tão vívida quanto em Os Próprios Deuses e ainda mais fluida que em Cavernas de Aço. Apesar de ter explicações científicas em alguns momentos e várias personagens, não há complicações. É fácil de ler. Recomendo a todos, inclusive para quem nunca leu nada dele.



   E como sempre, Asimov trouxe questões muito importantes em seu livro. Ele escreve sobre o futuro mas critica um assunto bem atual de sua época e da nossa também: racismo, preconceito e como, por egoísmo, o ser humano inventa guerras. Dá pra ver claramente como seus livros são atemporais. E o melhor de tudo é que não é uma leitura complicada. É preciso desmistificar essa ideia de que livros antigos são difíceis de entender. Asimov é um exemplo de autor que escreve de forma inteligente mas acessível. Todos podem ler e podem entender. Se divertir e ao mesmo tempo refletir.



   Preciso também falar um pouquinho sobre essa edição. Está uma maravilha. Muito bem feita, como sempre. Tradução ótima, diagramação perfeita, e a capa nem preciso dizer o quanto achei fascinante. A escolha de cores e a ilustração combinaram perfeitamente com o próprio livro. E é por causa de todo esse cuidado que os livros da Aleph eu faço questão de ter físico. Não quero nem saber de e-book quando tem essas coisas lindas e cheirosas! rsrs




ISBN: 978-85-7657-321-0
Ano de lançamento: 2016
Número de páginas: 312
Editora: Aleph
Classificação: 5/5

Beijinhos e até logo!! ^^


*Compre na Amazon: Pedra no Céu

You Might Also Like

0 comentários